Os aviões de guerra e tanques de Israel circulam em torno dos hospitais da Faixa de Gaza, à medida que as instalações de saúde são cada vez mais atacadas.

Os ataques aos complexos hospitalares afectam não apenas milhares de pacientes, mas também um número estimado de 122.000 palestinos deslocados abrigando-se nessas instalações durante os bombardeios implacáveis ​​de Israel.

Na sexta-feira, a ameaça a muitos hospitais de Gaza aumentou ainda mais.

Veja como os hospitais estão sendo direcionados:

Quais hospitais têm tanques cercados?

O Ministério da Saúde de Gaza afirma que tanques israelenses cercaram na sexta-feira quatro hospitais de todas as direções. Estes são o Hospital al-Rantisi, o Hospital al-Nasr e os hospitais oftalmológicos e de saúde mental.

Cerca de 1.000 pessoas procuram abrigo em al-Rantisi, o único hospital em Gaza especializado no tratamento de crianças com cancro. Israel atingiu recentemente veículos nos arredores de al-Rantisi, que fica no norte de Gaza.

Um vídeo que apareceu nas redes sociais, aparentemente filmado por pessoas dentro do hospital, mostra-as inseguras sobre se devem evacuar, dados os casos desta guerra em que pessoas que fogem de zonas de perigo são bombardeadas.

“Israel está a virar as costas à comunidade internacional e mantém os seus crimes contra hospitais, centros de saúde e centros de abrigo em toda a Faixa de Gaza”, disse a ministra palestiniana da Saúde, Mai al-Kaila, num comunicado citado pela agência de notícias Wafa.

E o Hospital al-Shifa?

O complexo do Hospital al-Shifa, a maior instalação médica da Faixa de Gaza, foi atingido por um míssil israelense durante a noite, e não foi um ataque isolado.

O porta-voz do Ministério da Saúde de Gaza, Ashraf al-Qudra, disse na sexta-feira que Israel bombardeou edifícios do Hospital al-Shifa cinco vezes desde a noite de quinta-feira.

O hospital tem sido um alvo repetido de Israel no último mês. A porta-voz da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Harris, alertou que o hospital está “sob bombardeio”.

“Você pode ouvir muitos tiros e então sabe que os tanques estão se aproximando do Hospital al-Shifa”, disse o Dr. Ahmed Mokhallalati, cirurgião da al-Shifa, à Al Jazeera.

A estudante de medicina Ezudine Lulu acessou o Instagram e avisou num vídeo no início da tarde de sexta-feira: “É possível que todo o hospital seja bombardeado em poucas horas”.

Al-Shifa é o maior complexo hospitalar da Faixa de Gaza. Embora al-Shifa tenha capacidade para 700 pacientes, atualmente trata cerca de 5.000, de acordo com Médicos Sem Fronteiras (MSF).

Israel alegou que o Hamas está a usar al-Shifa para fins militares. O Hamas rejeitou estas alegações, dizendo que al-Shifa abriga mais de 40 mil pessoas deslocadas em Gaza.

Na semana passada, al-Shifa foi atacado várias vezes com mísseis israelenses atingindo ambulâncias e os painéis solares da instalação, enquanto um cerco israelense causa escassez de combustível.

Como as funções hospitalares são afetadas?

Vários departamentos hospitalares foram alvo de Israel, comprometendo funções hospitalares e danificando edifícios e equipamentos.

De acordo com al-Qudra, Israel bombardeou a maternidade e os ambulatórios de al-Shifa esta semana.

Gaza está sob bloqueio total de Israel. Foi negado a Al-Shifa o fornecimento urgente de medicamentos e combustível. A escassez de combustível ameaça o funcionamento dos geradores, que alimentam equipamentos vitais como ventiladores e máquinas de diálise.

Um afluxo sem precedentes de pacientes feridos, juntamente com suprimentos médicos que estão se esgotando rapidamente, deixa os cirurgiões sem outra escolha a não ser operar os pacientes no chão e sem anestésicos ou analgésicos.

“É doloroso para a equipe médica. Não é simples. Ou o paciente sofre dor ou perde a vida”, disse Mohammad Abu Salmiya, diretor-geral do Hospital al-Shifa.

Tanto al-Rantisi como al-Shifa estão localizados no norte de Gaza. O porta-voz do escritório humanitário da ONU, Jens Laerke, disse que a ajuda que entra em Gaza através da passagem de Rafah com o Egito não pode entrar no norte de Gaza. Ele instou Israel a reabrir a passagem de Karem Abu Salem, conhecida em hebraico como passagem de Kerem Shalom, que fica na junção da fronteira de Gaza com o Egito e Israel, para permitir a passagem de mais ajuda.

O que aconteceu até agora?

Dezoito dos 35 hospitais de Gaza com instalações para pacientes internados pararam de funcionar devido a danos causados ​​por bombardeios e ataques aéreos ou por falta de combustível, disse o Ministério da Saúde de Gaza.

Os ataques israelenses tiveram como alvo o Hospital Nasser em Khan Younis e o Hospital Al-Quds, juntamente com dois centros da Sociedade do Crescente Vermelho Palestino em Jabalia e na Cidade de Gaza, informou o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários. O Ministério da Saúde de Gaza também foi alvo.

Em 18 de Outubro, quase 500 pessoas foram mortas num ataque aéreo ao Hospital Árabe Al-Ahli, na Faixa de Gaza sitiada.

O Ministério da Saúde de Gaza disse que a explosão foi causada por um ataque aéreo israelense. Israel atribuiu a explosão a um foguete que falhou e foi lançado pelo grupo armado Jihad Islâmica Palestina.

O que diz o direito internacional sobre ataques a hospitais?

O Direito Internacional Humanitário baseado nas Convenções de Genebra de 1949 considera os hospitais objetos civis que recebem proteção.

Contudo, os Protocolos Adicionais às convenções de 1977 descrevem algumas excepções a esta regra. O Artigo 13 afirma que as unidades médicas perderão a sua protecção especial se “utilizadas para cometer, fora da sua função humanitária, actos prejudiciais ao inimigo”. Nesses casos, afirma, devem ser dados avisos e “um limite de tempo razoável” antes de um ataque.



Fuente

Previous articleDhanteras 2023: os 5 principais gadgets que você pode comprar pelo preço de Rs 5.000
Next articleO ex-gerente do Astros, Dusty Baker, emocionado com Ron Washington conseguindo o emprego no Angels: "Quando ouvi a notícia, eu disse Aleluia"

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here